Pular para o conteúdo principal

Primeiro artigo de repercussão nacional sobre o futebol feminino no Brasil

Com o título “Glamour usa chuteiras”, o futebol feminino começou a ser conhecido a nível nacional, no dia 28 de fevereiro de 1959. A revista “O Cruzeiro” era distribuída em todo território nacional.A revista “O Cruzeiro” foi criada no final de 1928, no Rio de Janeiro. Uma revista aberta a novas possibilidades de leitura. A leitura da imagem ganhou destaque na cena do jornalismo, com a criação deste novo periódico. Foi em 10 de novembro de 1928 a primeira publicação. Cinco dias antes, 4 milhões de folhetos – um número três vezes maior do que o de habitantes da cidade – foram atirados do alto dos prédios na cabeça de quem passa na então Avenida Central. Os volantes anunciam o aparecimento de uma revista “contemporânea dos arranha-céus”, uma revista semanal colorida que “tudo sabe, tudo vê”. Os panfletos traziam no verso anúncios que serão veiculados pela nova publicação. A revista foi editada ininterruptamente entre 1943 à 1975.Pouco meses depois de seu lançamento, Cruzeiro torna-se a grande revista nacional. As estratégias adotadas para conquistar leitores são inúmeras: propõe manter contato direto com o público recebendo cartas em várias seções, como a jurídica, a médica a de “arquitetura doméstica”. Além disso, abusam das ilustrações, que dão o tom mesmo da revista. Distribuem prêmios variados. Instituem concursos os mais diversos para a participação do público.Mas O Cruzeiro só se consolidaria no mercado editorial brasileiro na década de 30. Gradativamente o periódico, que apresentava fotografias acompanhando todos os artigos, reportagens, crônicas e seções variadas, foi conquistando leitores e leituras. Editada com 47 páginas, além de acrescentar o artigo o ao seu título original, começou a caminhada em direção à expansão que seria recorrente nas décadas seguintes.A revista construiu, sem dúvida, um testemunho de uma época, reproduzindo, com o apoio sempre da fotografia, momentos que são apresentados como unívocos. Construiu-se dessa forma como produtores de uma história futura. E seus dirigentes e jornalistas sabiam desse papel.Um dos registros da história, retratados pela Revista “O Cruzeiro” é do início do futebol feminino no Brasil. Abaixo segue na íntegra o que foi publicado na revista em 28 de fevereiro de 1959, das páginas 125 à 129.





GLAMOUR” USA CHUTEIRAS
Texto de José Franco Fotos de Eugênio Silva


Apesar da chuva que cai, o aficionado não arreda pé do Estádio Vasconcelos Montes. Os holofotes iluminam a cancha, quase já transformada numa piscina nesta noite de gala em Araguari, a capital do esporte do Triângulo Mineiro. A todo instante, os narradores esportivos das duas emissoras locais mandam para o ar seus comunicados, era anunciando o início do jogo, ora afirmando que a peleja será transferida para o dia seguinte. Paulo Nogueira Cruvinel, presidente do Araguari Atlético Clube, fica ainda mais indeciso quando a torcida impaciente o chama as falas.- Como é, presidente, esse jogo sai ou não sai?O presidente está de guarda-chuva e calças arregaçadas. Invoca o mau tempo. Aponta para uma nuvem que esvoaça logo acima das arquibancadas. Um torcedor exaltado não perde a vaza.- Ora, presidente, esse nuvem não é de chuva não. É fumaça dos foguetes.

















































Começa, por fim, a partida principal da noite, reunindo as equipes do Araguari e Fluminense, os dois quadros rivais da terra. Mas a assistência, em unisseno, manifesta seu completo descontentamento. Eis havia ido a campo, sobretudo, para ver a preliminar. Dado o estado pesado da cancha, o futebol feminino não pode se exibir desta vez. Ficou decidido que o time de moças jogaria dois dias depois, em Uberlândia, cidade vizinha. Parece curioso, mas a verdade é que bom número de jovens, e jovens formosas, pratica esse esporte em Araguari. Futebol autêntico, com chuteiras, meias, calção, camisa. Juiz e “bandeirinhas”. São de “amargar” as filhas de Eva; em pouco tempo dessa interessante experiência, já aprenderam a driblar, marcar gol e... brigar com o juiz. Se o árbitro não atua com cuidado, as que se julgam prejudicadas com trilo marcando impedimento não deixam para depois: reúnem-se, param o jogo, até que o juiz dê as devidas explicações. Estrearam numa quarta-feira antes do Natal. O futebol masculino não estava mais atraindo o público. Houve, então, a necessidade de se cogitar de um espetáculo que pudesse oferecer atração e êxito de bilheteria. Surgiu a idéia do time de moças. Convocadas pelo rádio, quatro dezenas de jovens compareceram, dispostas a colaborar. Ney Montes, o mais popular dos esportistas de Araguari, movimentou a “Terezinha”, sua velha ramona de 1928. Rodou com o velho automóvel toda a cidade. A idéia pegou e hoje já é realidade: as moças deram o espetáculo, gostaram do futebol e quiseram continuar. Agora, quase três times estão formados, só de moças – de 14 a 20 anos de idade. E como são aplaudidas!No domingo, a “Terezinha” de Ney Montes rodou para Uberlândia, com os repórteres de “O Cruzeiro” a bordo. Os quadros femininos do Araguari fizeram uma exibição máscula: moroso, o jogo, mas futebol vistoso, que atrai pela grande vibração. As arquibancadas por pouco não vem abaixo. O tempo estava de cara feia, marcando chuva. Mas o espetáculo constituiu o maior sucesso dos últimos tempos, superando em arrecadação (120 mil cruzeiros), o último jogo, quando os uberlandenses receberam a visita do Botafogo carioca, que trazia, na sua equipe, Garrincha e Didi e toda a sua fama de Campeões do Mundo.(*) Teresa Cristina de Paiva Montes Cunha- Pesquisadora – Uberlândia – Minas Geraise-mail: teresacriscunha@hotmail.com Esse artigo foi publicado em 9 de Outubro de 2008, no blog Portal de Araguari, pelo moderador Aloisio Nunes de Faria Jornalista em Araguari, MG. http://portaldearaguari.blogspot.com/2008/10/primeiro-artigo-de-repercusso-nacional.html

Comentários

Randal disse…
Parabens teresa.....
Por seu trabalho ser finalista do Premio Imprensa Embratel.
Afinal fez um exelente trabalho escrito, conseguiu reunir as jogadoras, teve o apoio fundamental e bem profissional do jornalista renato peters e sua equipe e de várias outras pessoas de araguari.
Vamos torcer para ganhar, mas o feito já nos orgulha muito.
Lá em cima, ao lado de Deus, tenho certeza que seu pai deve estar tb muito orgulhoso de vc.

RANDAL

Postagens mais visitadas deste blog

LIVRO INFANTIL QUE ABORDA AS DIFERENÇAS É LANÇADO EM UBERLÂNDIA



No dia 12 de maio, foi lançado na Casa da Cultura de Uberlândia, às 19h30, o livro “Por que eu sou assim” da Editora Pérgamo. O livro escrito por Marta Fontoura, com origamis de Izete de Melo Silva, trata sobre as diferenças, e como a personagem central, uma margarida, descobre como lidar com esse dilema. A margarida quer saber porque nasceu margarida e não rosa. Nessa busca ela descobre uma maneira de entender a diversidade das flores e das pessoas. Segundo a autora, o livro pretende ajudar as crianças a entenderem e aceitarem o jeito de ser de cada uma.

O livro duplo, tem a história em um e no outro ensina como fazer origamis que servem para as crianças exercitarem a criatividade, fazendo também suas próprias ilustrações, as mesmas que estão no livro.







Uma excelente dica para pais, avós, tios, enfim, familiares presentearem e acompanharem as crianças na leitura e no feitio dos origamis. Também ótima ferramenta para qualquer instituição de ensino que queira trabalhar o tema de maneira…

BETHÂNIA – UMA NOVA FORMA DE TRABALHAR A DEPENDÊNCIA QUÍMICA

O Grupo Bahamas inaugura mais uma unidade em Uberlândia

Com o objetivo de expandir a rede na cidade de Uberlândia, o Grupo Bahamas reuniu nessa noite (15) terça-feira, em evento de relacionamento, fornecedores de todo Brasil, empresários, políticos e convidados especiais. A reunião foi na loja que será inaugurada amanhã, localizada à Avenida Cleanto Ribeiro Gonçalves, 600, no bairro Santa Rosa.


Segundo Nelson Junior, diretor de Marketing do Grupo Bahamas, a entrega da nova unidade ocorre em dois momentos. O primeiro momento é de relacionamento, onde os fornecedores podem ver o posicionamento de seus produtos e conhecerem a loja. O segundo momento é o evento de inauguração, que será quarta (16) às 13h, onde será aberto ao público consumidor em geral. O Grupo Bahamas trabalha com três bandeiras. Em Uberlândia a primeira loja foi Bahamas Mix, que é uma bandeira focada em vendas no atacado e varejo, a nova unidade do Santa Rosa é uma unidade de bandeira em formato de supermercado tradicional, e em fevereiro de 2016, será entregue a bandeira Emp…